21 de Janeiro de 2020
Brasil

Unidade produtiva da BASF em Camaçari recebe recomendação para certificação de eficiência energética ISO 50001

  • Reconhecimento atesta que a empresa desenvolve ações e políticas de uso consciente de energia
  • Esta é a terceira unidade da BASF a atender à norma; Guaratinguetá recebe a ISO 50001 desde 2017 e já está 100% certificada; São Bernardo do Campo é certificada desde agosto de 2019.

Em busca de aperfeiçoar os sistemas e os processos energéticos, o Complexo Acrílico  da BASF, em Camaçari (BA), recebeu a recomendação para a certificação internacional ISO 50001. Este reconhecimento atesta que a empresa possui políticas para uso consciente de energia e estabelece sistemas e processos de eficiência energética no uso e no consumo.

Esta é a terceira unidade produtiva da companhia no Brasil a receber a ISO 50001. A planta de Guaratinguetá (SP) é certificada anualmente desde 2017, o que tornou a BASF a primeira grande indústria química do Brasil a ter este reconhecimento. Em agosto de 2019, o Complexo Industrial de Tintas e Vernizes de São Bernardo do Campo (SP) também recebeu a certificação.

Para a BASF, o uso consciente de energia faz parte da sua estratégia de  sustentabilidade. Por este motivo, há cerca de quatro anos, foi desenvolvido o TripleE: Excelência em Eficiência Energética. O projeto atua com foco em melhorar o uso de energia de forma sustentável e reduzir impactos ambientais e é a base de todo o processo de certificação do ISO 50001.

Segundo Tania Oberding, diretora industrial do Complexo Acrílico de Camaçari da BASF para a América do Sul, a certificação ISO 50001 é uma meta global da BASF. “É o reconhecimento de um trabalho que já faz parte da companhia.“ Além de Guaratinguetá, São Bernardo e Camaçari, a próxima unidade a ser auditada para a certificação em 2020 é a de e Concon (Chile). “A sustentabilidade é um dos pilares da BASF, impulsionando o constante aprimoramento dos nossos processos para um uso eficiente dos recursos que já se encontram em utilização no processo produtivo”, diz.

Com o TripleE e em parceria com a Universidade Estadual Paulista (UNESP) foram realizadas análises profundas das instalações e dos equipamentos para a implementação dos projetos em sete unidades da BASF. Alguns dos resultados alcançados desde o início do TripleE englobam 135 projetos de eficiência energética, com R$ 17,5 de redução de custo de energia. Essas oportunidades representam uma melhoria de redução no consumo de energia de 62,6 GWh por ano e diminuição na geração de 10,9 mil toneladas de CO2eq por ano.

Last Update 4 de Fevereiro de 2020