TOP
Brasil

Campeões de produtividade

Logo no início da safra 2018/19, que começou em setembro de 2018, boa parte dos agricultores brasileiros se inscreveram no Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja, acreditado pelo CESB – Comitê Estratégico Soja Brasil. O objetivo desta ação, que já está em sua 11ª edição, é propagar informação e conhecimento para que o sojicultor possa atingir novos patamares de produção com rentabilidade e sustentabilidade, evitando assim, abertura de novas áreas. Cada agricultor participante do Desafio do CESB pode inscrever algo entre 2,5 e 10 hectares de sua lavoura de soja que pode ser nas categorias plantio irrigado ou não irrigado.

Passada toda a safra, agricultores que deixaram o legado de altos rendimentos neste período receberam em Londrina/PR o reconhecimento do CESB, que a todo momento os estimulou a aumentarem a produtividade de suas lavouras de soja fazendo uso de boas práticas agrícolas, não dependendo apenas de uma ferramenta e sim de um conjunto de tecnologias que vão desde a escolha de material genético (sementes), bom manejo de perfil/fertilidade de solo, uso correto de defensivos agrícolas (sanidade das plantas), até a diversificação de cultivos.

“É na colheita que são verificadas se todas as ações realizadas durante o ciclo de desenvolvimento da soja, desde a escolha das sementes, a preparação do solo para o plantio e o manejo fitossanitário foram bem planejados. Se todas as boas práticas foram feitas adequadamente, o agricultor pode atestar em produtividade a eficiência das suas soluções”, comenta Hélio Cabral, gerente de Marketing Soja da BASF.

Pela oitava safra consecutiva as tecnologias desenvolvidas pela divisão de Soluções para Agricultura da BASF contribuíram para a conquista de vencedores do Desafio do CESB. Nos últimos anos, 21 campeões de produtividade fizeram o manejo correto para alcançar altas produtividades e colher mais soja por hectare. A empresa participa do evento desde sua primeira edição, na safra 2008/2009.


Confira os campeões que utilizaram Soluções BASF:

Campeão Sul Sequeiro – O campeão nacional de sequeiro, isto é, plantação em solo firme, foi o sojicultor Rafael Tolotti, da fazenda Tolotti, localizada no município de Erval Seco/RS. A área inscrita no Comitê alcançou produtividade de 123,5 sacas de soja por hectare utilizando tratamento de sementes com Standak® Top, fungicidas Orkestra® SC, Ativum® e Versatilis® e o inseticida Fastac® Duo. “Com o apoio da BASF na tomada de decisão para um controle fitossanitário eficiente do começo ao fim, utilizamos as soluções corretas e eficientes na hora certa e alcançamos a melhor sanidade na lavoura”.

Campeão Sudeste Sequeiro – Matheus Grossi Terceiro, da fazenda Cedro, em Patrocínio/MG, registrou produtividade de 110,45 sacas por hectare com o uso de tratamento de sementes com Standak® Top, fungicida Ativum® e o inseticida Pirate®. Ele também é campeão de produtividade no Sudeste com 110,45 sacas por hectare e pretende alcançar a marca de 150 nos próximos anos. O produtor tem 26 anos e é filho de uma das grandes famílias que iniciaram o cultivo de soja no Cerrado na década de 1970. “A alta produtividade é resultado de todas as práticas agrícolas adotadas ao longo do ciclo”, pondera.

Campeão Norte/Nordeste Sequeiro – João Antônio Gorgen, da fazenda Barcelona, em Riachão das Neves/BA, atingiu produtividade de 96,89 sacas por hectare usando o tratamento de sementes com Standak® Top, e os fungicidas Orkestra® SC, Ativum® e Status®. Para Edinei Fugalli, consultor da fazenda do campeão Norte/Nordeste, as ações tomadas já no início no plantio, resultaram no prêmio de alta produtividade da região. “O objetivo foi focar na parte estrutural e biológica do solo, e utilizar produtos específicos para combater no momento eficiente as doenças especificas”, destaca.

Campeão Nacional Sul Irrigado – Maurício De Bortoli, da fazenda Sementes Aurora, no município de Cruz Alta/RS, obteve produtividade de 123,88 sacas por hectare com o uso do tratamento de sementes com Standak® Top e dos fungicidas Orkestra® SC e Versatilis®. Para se ter ideia da importância do manejo para o aumento da produção, o resultado registrado pela família está 130% acima da média nacional de produtividade de soja, que é em torno de 53 sacas por hectare. “O manejo eficiente se destaca como o principal diferencial de quem alcança produtividade recorde”, finaliza.

Hélio Cabral pontua que todos os agricultores campeões do CESB possuem em sua área comercial produtividade acima da média nacional, que hoje é de 54 sacas por hectare. “Atestado o manejo eficiente, muitas práticas tecnológicas usadas nas áreas do desafio acabam sendo utilizadas em toda lavoura, proporcionando mais rentabilidade e longevidade das lavouras de soja”.

O grande desafio desses atores é alcançar, sem a necessidade de novas áreas agricultáveis e com ajuda das tecnologias, maiores patamares de produtividade e rendimento. Nesse sentido, a Divisão de Soluções para Agricultura da BASF é uma das aliadas do agricultor para que ele tenha mais sustentabilidade no campo, além de ajudá-lo no cultivo de alimentos cada vez mais saudáveis, seguros e acessíveis, por meio de soluções inovadores em sementes e defensivos agrícolas.

Os resultados positivos alcançados no Desafio CESB de Máxima Produtividade reforçam o comprometimento da empresa com o desenvolvimento de inovações que permitam o incremento da produção de soja no Brasil. A BASF acredita que é possível produzir cada vez mais com uso de tecnologia e realizando o manejo eficiente das plantações, sem aumentar a área de cultivo.

“O Desafio é um fórum de inovação aberta que cria uma competição positiva entre os agricultores, em que todos saem ganhando. A busca por novos patamares de produtividade gera conhecimento que é compartilhado pelo Comitê. A premiação contribui para o aprimoramento das práticas de manejo para o cultivo da soja e é um reconhecimento para os agricultores que investem em tecnologia”, afirma Nilson Caldas, diretor de Marketing do CESB e gerente sênior de Marketing da BASF.

Este é o jeito E da BASF, que une produtividade e sustentabilidade. É assim que criamos química para um futuro sustentável e contribuímos para um mundo que ofereça mais qualidade de vida para todos.

São técnicas, tecnologias e uma rede de conhecimentos que possibilitam que experiências como estas sejam compartilhadas. Valorizando o produtor rural como principal fator de transformação no campo, que semeia a confiança com trabalho e determinação e ao fim de cada safra colhe os melhores resultados.