TOP
Brasil

De garrafa PET à matéria-prima

Wooden board empty table in front of blurred background. Perspective brown wood over blur in coffee shop - can be used for display or montage your products.Mock up for display of product.

A crescente produção de plástico e seu descarte incorreto motivou a criação de uma iniciativa que, entre 2002 e 2018, já reutilizou mais de 600 milhões de garrafas PET. O projeto PET da Suvinil, marca de tintas imobiliárias da BASF, tem como objetivo aproveitar embalagens na produção de esmaltes e vernizes, que antes consumiam matéria-prima virgem derivada de petróleo.

Este é o jeito E da BASF, que une produtividade e sustentabilidade. É assim que criamos química para um futuro sustentável e contribuímos para um mundo que ofereça mais qualidade de vida para todos.

O trabalho para transformar plástico em tinta começa na coleta seletiva. Nesse momento, milhões de garrafas PET são separadas e depois vão para trituração. Após esse processo, são usadas como matéria-prima para a produção de resina alquídica, um dos principais componentes dos esmaltes e vernizes Suvinil. Para cada galão de 3,6 litros de esmaltes e vernizes, são usadas, em média, seis garrafas PET na composição.

Com essa produção de resina, 1.500 toneladas de matéria-prima virgem, derivada de um recurso não renovável, são poupadas e cerca de 35 milhões de garrafas PET são retiradas do meio ambiente por ano. Além disso, reduz-se proporcionalmente a geração de efluentes, ou seja, a água produzida pela reação de polimerização.

O programa dialoga com o conceito de economia circular, que pode ser traduzido como uma estratégia para reduzir o desperdício de recursos e gerar novas oportunidades de negócios. A ideia engloba também manter os recursos em uso o maior tempo possível, minimizar sua disposição, utilizá-los de maneira eficiente, recuperar e regenerar produtos e materiais em todo o ciclo de vida.

“Acreditamos que a sustentabilidade deve estar presente em toda a cadeia de valor. Em uma ponta, incentivamos os programas de coleta seletiva para garantir que tenhamos a matéria-prima desejada e, com isso, novos postos de trabalho diretos e indiretos são gerados. Internamente, conscientizamos nossos funcionários, evitamos o uso de materiais de fontes não renováveis e ainda ajudamos a retirar lixo do meio ambiente. E na ponta final, o consumidor adquire produtos mais sustentáveis e também contribui para um futuro melhor”, afirma Celdia Bittencourt, gerente sênior de inovação e projetos da Suvinil.

Faça download e confira o case completo