TOP
Brasil

Tanques e comidas especiais: terapias na água para um peixe mais sustentável

Ingrediente essencial na gastronomia, o salmão é protagonista não só na mesa, mas também na economia do Chile. O país é o segundo maior produtor do peixe no mundo, atrás apenas da Noruega. Por isso, manter a boa imagem desse alimento no mercado internacional e buscar soluções mais sustentáveis de cultivo são questões sempre em pauta na região.

O uso de antibióticos como a oxitetraciclina e o florfenicol nos ciclos de cultivo do salmão é um dos temas que ganha a atenção de produtores e consumidores do peixe. Usados para combater bactérias e parasitas comuns, eles também podem apresentar impactos negativos no ecossistema.

Diante desse desafio, a indústria começou a buscar soluções alternativas para garantir as vendas para o mercado internacional e aumentar a imunidade dos animais. A BASF, que inova sempre pensando em combinar sucesso nos negócios e respeito ao meio ambiente, apresenta em seu portfólio produtos ideais para esse setor.

Este é o jeito E da BASF, que une produtividade e sustentabilidade. É assim que criamos química para um futuro sustentável e contribuímos para um mundo que ofereça mais qualidade de vida para todos.

Uma das soluções são os minerais orgânicos, que pertencem à linha de químicos para a nutrição animal, e são adicionados à alimentação dos peixes. Como resultado, o salmão apresenta maior resistência térmica, diminuindo consideravelmente a ocorrência de doenças e o uso de antibióticos no ciclo de criação.

“Nosso objetivo é proporcionar à indústria uma nova fonte terapêutica e nutricional para solucionar problemas sanitários e diminuir a utilização de medicamentos. A aplicação dos minerais orgânicos aparece como alternativa profilática contra a incidência de diversas enfermidades”, afirma Eduardo Parra, gerente de Vendas de Nutrição e Negócios em Saúde da BASF.

Adicionalmente, a BASF oferece a resina Palatal®, utilizada na fabricação de tanques de cultivo em terra. O produto permite a criação de uma superfície totalmente lisa, impedindo a formação de crostas ou acúmulo de partículas que possam interferir no ciclo de criação. Os tanques são criados de acordo com a necessidade do cliente e podem medir até 16 metros de diâmetro e ter capacidade para até 1000 metros cúbicos.

“O uso desses megatanques gera um processo de produção muito mais sustentável, no qual é possível obter melhor controle da água e dos possíveis agentes que influenciam a saúde do peixe”, explica Fernando Parada, representantes de vendas da BASF.

Para saber mais sobre esse produto, escreva para fernando.parada@basf.com