TOP
Brasil
Sustentabilidade

O ponto de vista da BASF sobre...

Protecionismo

  • Como empresa internacional com cadeias de valor globais integradas, a minimização das barreiras comerciais e tarifas é essencial para as operações da BASF. A empresa beneficia - tal como os clientes - do comércio livre, pois qualquer tipo de imposto representa um imposto indireto. A BASF acredita firmemente no valor dos mercados abertos e de uma ordem global baseada em regras. Por conseguinte, estamos preocupados com os atuais desenvolvimentos no comércio internacional para impor tarifas de importação sobre uma vasta gama de produtos que possam afetar a indústria química e as suas numerosas indústrias clientes. Esperamos que os governos acabem por resolver os desacordos comerciais através de um diálogo multilateral sustentado e no respeito pelas regras da OMC.

OMC

  • A BASF apoia a OMC como guardiã do comércio multilateral com um sistema de resolução de litígios sem precedentes, destinado a garantir que os participantes respeitem as regras da OMC.
  • A BASF também apoia a agenda de negociações da OMC. A liberalização do comércio através de acordos multilaterais é a forma preferida de liberalizar o comércio livre no setor químico para reduzir o custo dos fatores de produção e o preço dos produtos finais e para abrir o acesso a novos mercados em crescimento. O setor químico é de fato um dos maiores exportadores do mundo: O comércio internacional de produtos químicos foi avaliado em 1,5 trilhões de euros em 2016. Com as atuais cadeias de valor integradas na rede de produção, a BASF pode beneficiar consideravelmente da liberalização do comércio, tanto diretamente através da poupança em direitos e da otimização da rede de produção, como também indiretamente através de um impulso geral na atividade econômica que cria procura nas indústrias nossas clientes.
  • Considerando a falta de progressos na ronda de negociações da ADD na OMC, a BASF apoia acordos bilaterais ou regionais como alternativas válidas. Este processo "bottom-up" pode também ser mais adequado para encontrar soluções pragmáticas para novas questões emergentes e novas formas de barreiras não tarifárias, que atualmente não estão cobertas pela OMC.
  • Seríamos também a favor de uma iniciativa plurilateral entre os membros da OMC para uma maior liberalização tarifária no setor químico, caso toda a OCDE e as principais economias emergentes com uma produção e indústria química substancial (incluindo a China, Brasil e Índia) estejam prontas para participar.

ACLs

  • A liberalização do comércio bem gerenciada permite às empresas, incluindo as PME, organizarem-se de forma mais eficiente. O aumento da concorrência beneficia os consumidores sob a forma de melhores níveis de serviço, de uma maior variedade de produtos ou de preços mais baixos.
  • A BASF apoia ACL bilaterais ou regionais abrangentes como o CETA, o APE UE-Japão e o Nafta como alternativas válidas quando as negociações multilaterais se encontram em um impasse ou para tratar de questões que estão atualmente fora do âmbito da OMC (questões da OMC+ como regulamentação, normas, preços duplos, proibições de exportação... e muitas outras).
  • A liberalização tarifária continua a ser a pedra angular dos ACL, mas outros fatores estão ganhando importância e estão, portanto, legitimamente recebendo mais atenção nos ACL. As questões da OMC+ oferecem uma plataforma útil para um envolvimento mais profundo com os parceiros comerciais e um espaço flexível para a gestão das relações econômicas internacionais. O objetivo final é trazer benefícios a todos os parceiros comerciais no âmbito da OMC sob a forma de ganhos econômicos através de uma economia mundial globalmente crescente. Além disso, os ACL bilaterais devem ser estruturados de modo a darem a oportunidade aos parceiros interessados de se juntarem a eles em algum momento.

Política industrial da UE

  • A política industrial não é uma política única, mas uma questão verdadeiramente transversal que abrange uma vasta gama de diferentes questões políticas como energia e clima, inovação, comércio, digitalização, competências, políticas ambientais e de economia circular, apoiando-se em uma regulamentação inteligente. Tem como objetivo criar um ambiente empresarial favorável, estimulando o emprego e o crescimento na indústria transformadora, que é a espinha dorsal da nossa economia.
  • Na Europa, o setor transformador tem diminuído nos últimos 20 anos e representa agora 15% do PIB. Isto é também verdade para a indústria química: apesar do crescimento contínuo, a parte da Europa nas vendas globais diminuiu de 32% para 15%. Esta diminuição deve-se a várias razões, como a deslocação da produção para a Ásia e o crescimento dos produtos químicos associados, ou a deslocação da produção petroquímica para países ricos em recursos naturais. Contudo, deve-se também ao declínio da competitividade induzido pelas políticas da UE que dificultam a inovação e criam encargos e custos regulamentares sobre a fabricação. Entretanto, países como a China, a Índia, o Oriente Médio ou os EUA estão colocando a indústria no topo das suas agendas políticas, atraindo por este meio investimentos.
  • As condições de enquadramento competitivas na Europa são essenciais para o sucesso econômico da BASF, considerando a nossa forte presença europeia, tanto em termos de produção como de mercados de clientes em praticamente todos os setores e cadeias de valor da economia transformadora.
  • A BASF dá as boas-vindas com o objetivo da UE de renovação industrial. No entanto, o renascimento industrial não acontecerá por acidente. Pelo contrário, requer uma estratégia e um plano de ação integrados e dedicados dos decisores políticos da UE e dos seus estados membros, para enfrentar os atuais desafios (por exemplo, rápidas mudanças tecnológicas, desafios de sustentabilidade, maior protecionismo, etc.) através da criação de um ambiente regulador adequado, menos pesado e previsível, e no qual a competitividade industrial seja integrada em todas as políticas da UE e dos estados membros.
  • A crise financeira mostrou que o conceito de setores e indústrias nacionais é obsoleto em um mundo globalizado. São necessárias respostas políticas coordenadas da UE. Só a política industrial da UE que tem como objetivo tanto a competitividade como a sustentabilidade pode alcançar a massa crítica necessária de mudança e coordenação. Em particular, a BASF defende políticas que dão às inovações uma verdadeira oportunidade na Europa, garantem preços competitivos da energia e das matérias-primas, bem como o comércio justo e livre.